• Subiter

Inspeção no setor náutico


As inspeções são técnicas adotadas para conferir ou testar os produtos e suas características. Os processos de inspeções tendem a ser contínuos para aferir uma melhoria a longo prazo.



As inspeções na indústria estão diretamente relacionadas ao setor de manutenção e garantia da qualidade. Quando a preocupação é o bom funcionamento dos processos, a equipe de manutenção verifica, por exemplo, o funcionamento de máquinas, equipamentos e sistemas elétricos. Quando o foco é o produto, a equipe da qualidade verifica características dimensionais, acabamento e realizam testes antes de aprovar um certo lote.


Para melhor gerenciamento, podemos dividir as inspeções em três categorias globais:


  • Inspeção de recebimento: controle feito no recebimento da matéria prima e insumos. Nesta etapa é importante avaliar as condições do material enviado pelo fornecedor, para garantir que estejam dentro das especificações técnicas e requisitos contratuais;


  • Inspeção de manufatura: controle dos produtos e processos durante a produção. Geralmente é feita em pontos críticos. Nesta etapa é importante garantir que o produto esteja dentro dos padrões de qualidade. Esse tipo de inspeção possibilita a redução de custos com retrabalho, diminui as paradas na linha de produção e facilita a aplicação de ações corretivas e preventivas no processo.


  • Inspeção final: assegura que os produtos acabados estejam de acordo com as exigências de segurança e do cliente. É o tipo mais utilizado por se tratar da última etapa antes do envio para o cliente. A falha nesta etapa pode comprometer a garantia da qualidade do produto e manchar a imagem da empresa.


Até este momento, falamos de um conceito global de inspeção, que é utilizado desde indústrias alimentícias, moveleiras e têxteis, até a produção de bens mais personalizados e exclusivos como na indústria náutica.



A cadeia de produção de embarcações de luxo e recreio, por exemplo, tem ganhado cada vez mais destaque no cenário nacional. Segundo a ACOBAR (Associação Brasileira dos Construtores de Barco), é previsto um crescimento de 10% na venda de embarcações, além de filas de espera nos estaleiros. “Assim como em outros setores, os consumidores náuticos estão buscando produtos mais próximos do universo da tecnologia e, sem dúvidas, em ambientes que proporcionem mais recursos, soluções e experiências”, afirma Fábio Campion, presidente de uma empresa do setor.


Nessa perspectiva, o controle de qualidade dentro dos estaleiros é fundamental, o que nos leva novamente a necessidade de inspeções ao longo da cadeia de fabricação das embarcações.


Vamos elencar aqui os principais tipos de inspeção e controle de qualidade no setor náutico e como a tecnologia pode potencializar a qualidade do barco.


Inspeção de insumos

Controle de qualidade feito no recebimento da matéria prima para avaliar se os insumos estão dentro das especificações do estaleiro, como, qualidade da fibra de vidro, espumas, gel coat, resinas e catalisadores; condições dos componentes mecânicos e elétricos como motores e painéis; e, tecidos para tapeçaria, pisos laminados e estofados.


Inspeção durante manufatura

Inspeção visual do processo de laminação para identificar regiões com bolhas, grau de impregnação, umidade do ar, temperatura ambiente e acabamento. Após a etapa de desmolde é feita, novamente, uma avaliação superficial para identificar irregularidades superficiais e distorções na estrutura.


Inspeção pós manufatura

Geralmente é feito um aquecimento da superfície do casco, para identificar regiões com vazios e bolhas, decorrentes do próprio processo de fabricação. Um alerta, neste tipo de inspeção, é que o próprio aquecimento pode induzir mais danos à estrutura e por isso deve ser feito por uma equipe especializada. É um método destrutivo e identifica apenas as bolhas superficiais, deixando para trás bolhas mais profundas que podem gerar problemas estéticos e comprometer a integridade da estrutura em curto/médio prazo.


Inspeção final

Conferência do funcionamento dos motores, sistemas elétricos, de iluminação, de som, acabamento dos estofados e decoração. Nessa etapa é feita uma avaliação geral da embarcação, pois é a última etapa antes do envio para o cliente.


Este é o cenário atual de muitos estaleiros. Mas como comentamos anteriormente, com o aumento da demanda, a implementação de tecnologias é essencial para otimização dos processos e qualidade final da embarcação, garantindo diferenciais competitivos e excelência aos produtos.


Existe uma tecnologia nacional e inédita no mercado, para inspeção não destrutiva dos cascos de embarcações. Ela é capaz de identificar defeitos de fabricação, estruturais e estéticos, sem danificar a estrutura do barco. É um método de inspeção rápido e preciso, que detecta vazios, microbolhas, manta seca e trincas. Pode ser utilizado após a etapa de desmolde, facilitando a operação de reparo ou em embarcações já finalizadas.


Para conhecer mais sobre a tecnologia e saber como reduzir custos com reparos e chamados pós venda, entre em contato com a nossa equipe!





47 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
410270-PD3FP0-591.png